Câncer de Mama e Atividade física

Artigo de Opinião
21/10/2017

Câncer de Mama e Atividade física

Há algumas décadas, vem sendo estudado os benefícios da atividade física para saúde do corpo e mente. Uma das dádivas de fazer exercício físico com frequência é a sua capacidade prevenções de doenças, e essa medida profilática alguns estudos aponta que pode ser benéfico na prevenção do câncer de maneira geral.

O termo Câncer segundo a OMS e INCA (Organização Mundial de Saúde e Instituto Nacional de Câncer) é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Nas mulheres o câncer ataca de forma agressiva e mutiladora a Glândula mamaria (os seios), que desde a pré-história até os tempos modernos são síntese da feminilidade, expressão de maternidade e fertilidade, mas também é erotismo, símbolo de cultura e emancipação feminina e politica.

A atividade física é um dos componentes para prevenção primária, além disso, afasta o praticante de alguns hábitos que podem ser determinantes para o risco de desenvolver câncer, tais como: Tabagismo, má alimentação, sobrepeso, consumo de bebidas alcoólicas em excesso, entre outros fatores ocupacionais.

No tratamento do câncer segundo Mackey e Quinney (2004) a atividade física pode ajudar em três fatores; na melhoria de qualidade de vida do paciente, no prolongamento da vida ou até mesmo na cura quando ocorre a mutilação do órgão afetado. Bacurau e Costa Rosa (1997) registram que os estudos epistemológicos fornecem inúmeras evidencias que a pratica de diversos tipos de exercícios promove reduções consideráveis nas taxas de mortalidade dos indivíduos.

Segundo Sawada e Colaboradores (2003) níveis elevados de aptidão cardiorrespiratório podem inibir a formação de neoplasias que por sua vez pode ajudar a prevenir o câncer. Em estudo realizado por Dorn e colaboradores (2003) foram feitas associações entre o tempo de lazer e atividade física das mulheres, efeitos protetores mais evidentes foram observados em mulheres que praticavam atividade física que está associada a um risco reduzido do câncer de mama. Em pacientes que foram submetidas ao tratamento de câncer de mama a atividade física moderada propicia a diminuição da fadiga pós-quimioterapia, diminuição de outas doenças como atrite, depressão e o catabolismo muscular e além de impedir que a paciente desenvolva sobre peso após retornar a vida cotidiana.

Conclusão

A atividade física é benéfica nos três níveis do câncer de Mama: No combate, diminuindo o risco e afastando os pacientes de hábitos que propiciam o surgimento do câncer, no tratamento auxiliando a diminuição da fadiga pós-quimioterapia e na qualidade de vida mental e por fim na volta ao cotidiano.

Outubro Rosa


Entretanto as atividades físicas devem ter recomendações médicas e orientada pelo um profissional de Educação Física. Cada caso e nível da doença devem seguir normas e cuidados específicos.

Referências:

SPINOLA. A.V, MANZZO, I de S; ROCHA, C, M As relações entre atividade física e o câncer, São Paulo P. 38-48, 2007.

INCA- INSTITUTO NACIONAL DE CÃNCER- www.inca.org.gov.br acesso em Outubro de 2017.

OMS- ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – www.who.int biblioteca on-line acesso em Outubro de 2017.

Revista CREF- CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA edição 48-2017 ,

Diretor Estadual da ABPed-Associação Brasileira dos Pedagogos, Pedagogo, Educador Físico e Professor Especialista na Prefeitura Municipal de São Paulo.

e-mail para contato: